A PEDAGOGIA DE


CÉLESTIN FREINET


                                                            José Luiz de Paiva Bello
                                                            Rio de Janeiro - 1999



Cronologia de Célestin Freinet:
      1896
       - Célestin Freinet nasce em Gars, no sul da França, na região de Provença, em 15 de outubro.
       - Na adolescência mudou-se para Nice onde iniciou o Curso de Magistério

      1914\1918
       - Na I Guerra Mundial Freinet interrompe seus estudos e alista-se no exército.
       - Sofrendo ações dos gases tóxicos, que prejudicaram seus pulmões para o resto da vida, teve baixa do exército e perambulou por diversos hospitais sem esperança de cura.

      1920
       - Freinet inicia em Bar-Surloup suas atividades como professor-adjunto sem ainda ter concluído o Curso Normal.

      1921\1924
       - Através do sensível contato com os alunos começa as descobertas essencialmente práticas que originaram as atividades voltadas para o interesse das crianças.
       - Também trabalha com os aldeões e forma uma Cooperativa de Trabalho.
       - Começam as primeiras correspondências entre as escolas.

      1926\1928
       - Conhece Elise, artista plástica, que chega para trabalhar como sua colaboradora.
       - Casa-se com Elise e edita o livro A Imprensa na Escola. Criou a revista "La Gerbe" (O Ramalhete), com poemas infantis.
       - Fundou a Cooperativa de Ensino Leigo.
       - Elise e Freinet passam a trabalhar em Saint Paul.

      1933\1939
       - Em função da intensa correspondência decorrente das atividades realizadas na Escola e na Cooperativa acabaram por gerar desconfiança e hostilidades.
       - Freinet é exonerado do cargo de professor em Sant Paul de Vence.
       - Freinet e Elise continuam trabalhando na Cooperativa.
       - A escola de Freinet é oficialmente aberta.
       - Freinet e Romain Roland lançam a idéia do movimento Frente da Infância.
       - Começa a II Guerra Mundial.

      1940
       - Freinet é preso no campo de concentração de Var.
       - Fica gravemente doente e na prisão dá aula para os seus companheiros.
       - Enquanto isso Elise luta pela sua libertação.
       - Após ser solto Freinet se integra ao Movimento da Resistência Francesa.

      1947\1948
       - É criado o ICEM. A Cooperativa já reunia 20 mil participantes.

      1956
       - Preocupados com o excesso de crianças em sala de aula lançam uma campanha nacional por 25 alunos por classe.

      1966
       - Freinet morre na cidade de Vence, na França.

A pedagogia Freinet é centralizada na criança e baseada sobre alguns princípios:
       - senso de responsbilidade
       - senso cooperativo
       - sociabilidade
       - julgamento pessoal
       - autonomia
       - expressão
       - criatividade
       - comunicação
       - reflexão individual e coletiva
       - afetividade

Invariantes Pedagógicas:
       1. A criança é da mesma natureza que o adulto.
       2. Ser maior não significa necessariamente estar acima dos outros.
       3. O comportamento escolar de uma criança depende do seu estado fisiológico, orgânico e constitucional.
       4. A criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias.
       5. A criança e o adulto não gostam de uma disciplina rígida, quando isto siginifica obedecer passivamente uma ordem externa.
       6. Ninguém gosta de fazer determinado trabalho por coerção, mesmo que, em particular, ele não o desagrade. Toda atitude imposta é paralisante.
       7. Todos gostam de escolher o seu trabalho mesmo que essa escolha não seja a mais vantajosa.
       8. Nnguém gosta de trabalhar sem objetivo, atuar como máquina, sujeitando-se a rotinas nas quais não participa.
       9. É fundamental a motivação para o trabalho.
       10. É preciso abolir a escolástica.
       10- a. Todos querem ser bem-sucedidos. O fracasso inibe, destrói o ânimo e o entusiasmo.
       10- b. Não é o jogo que é natural na criança, mas sim o trabalho.
       11. Não são a observação, a explicação e a demonstração - processos essenciais da escola - as únicas vias normais de aquisição de conhecimento, mas a experência tateante,que é uma conduta natural e universal.
       12. A memória, tão preconizada pela escola, não é válida, nem preciosa, a não ser quando está integrada no tateamento experimental,onde se encontra verdadeiramente a serviço da vida.
       13. As aquisições não são obtidas pelo estudo de regras e leis, como às vezes se crê, mas sim pela experîencia. Estudar primeiro regras e leis é colocar o carro na frente dos bois.
       14. A inteligência não é uma faculdade específica, que funciona como um circuito fechado, independente dos demais elementos vitais do indivíduo, como ensina a escolástica.
       15. A escola cultiva apenas uma forma abstrata de inteligência, que atua fora da realidade fica fixada na memória por meio de palavras e idéias.
       16. A criança não gosta de receber lições autoritárias.
       17. A criança não se cansa de um trabalho funcional, ou seja, que atende aos rumos de sua vida.
       18. A criança e o adulto não gostam de ser controlados e receber sanções. Isso carcteriza uma ofensa à dignidade humana, sobretudo se exercida publicamente.
       19. As notas e classificações constituem sempre um erro.
       20. Fale o menos possível.
       21. A criança não gosta de sujeitar-se a um trabalho em rebanho. Ela prefere o trabalho individual ou de equipe numa comunidade cooperativa.
       22. A ordem e a disciplina são necessárias na aula.
       23. Os castigos são sempre um erro. São humilhantes, não conduzem ao fim desejado e não passam de paliativo.
       24. A nova vida da escola supõe a cooperação escolar, isto é, a gestão da vida pelo trabalho escolar pelos que a praticam, incluindo o educador.
       25. A sobrecarga das classes constitui sempre um erro pedagógico.
       26. A concepção atual das grandes escolas conduz professores e alunos ao anonimato, o que é sempre um erro e cria barreiras.
       27. A democracia de amanhã prepara-se pela democracia na escola. Um regime autoritário na escola não seria capaz de formar cidadãos democratas.
       28. Uma das primeiras condições da renovação da escola é o respeito à criança e, por sua vez, a criança ter respeito aos seus professores; só assim é possível educar dentro da dignidade.
       29. A reação social e política, que manifesta uma reação pedagógica, é uma oposição com o qual temos que contar, sem que se possa evitá-la ou modificá-la.
       30. É preciso ter esperança otimista na vida. (Sampaio, 1989: 81-99)

Técnicas Freinet
       - Aula passeio
       - Texto livre
       - Imprensa escolar
       - Correção
       - Livro da vida
       - Fichário de consulta
       - Plano de Trabalho
       - Correspondência interescolar
       - Auto-avaliação

Aula Passeio
       Por acreditar que o interesse da criança não estava na escola e sim fora dela, Freinet idealizou esta atividade com o objetivo de trazer motivação, ação e vida para a escola.

Texto Livre
       É a base da livre expressão, pode ser um desenho, um poema ou pintura. A criança determina a forma, o tema e o tempo para sua realização. Porém se a criança desejar que seu texto seja divulgado deverá passar pela correção coletiva.

Imprensa Escolar
       Seu ponto de partida são as entrevistas, pesquisas, vivências e aulas-passeio. Freinet usava o tipógrafo. Todo processo de construção e impressão é coletivo.

Correção
       Para o texto ser divulgado é necessário que esteja perfeito e a correção é fundamental. Ela pode ser feita coletivamente, ou em auto-correção. Freinet acredita que o "erro" deva ser trabalhado com a criança para que ela perceba e faça o acerto.

Livro da Vida
       Funciona como um diário da classe, registrando a livre expressão (texto, desenho e pintura). Esta atividade permite que as crianças exponham seus diferentes modos de ver a aula e a vida.

Fichário de Consulta
       Põe a disposição da criança exercícios destinados à aquisição dos mecanismos do cálculo, ortografia, gramática, história, ciências etc. São construídas em sala de aula pelos professores na interação com a turma. Freinet criticava duramente os livros didáticos fora da realidade da criança.

Plano de Trabalho
       Tendo o currículo escolar como ponto de partida, os grupos de alunos se organizavam para escolher as estratégias de desenvolvimento das atividades que podiam ser realizadas em grupos, duplas, ou individualmente. Para registro do plano são elaboradas fichas onde são anotadas as realizações da semana.

Correspondência Interescolar
       É uma atividade em que a criança faz a aprendizagem da vida coooperativa, uma classe se corresponde com a outra. Depois dos professores terem se comunicado e organizado a forma. Podem enviar: cartas, textos, fitas, vídeos, desenhos e e-mail.

Auto-Avaliação
       A criança registra o resultado do seu trabalho em fichas de auto-avaliação que permitem constantes comparações entre os trabalhos realizados. Segundo Freinet o aluno e o professor devem se avaliar regularmente.




Célestin Freinet


Indicações Bibliográficas:

BERNARD, Eliade. A escola aberta: Freinet no secundário. Lisboa: Horizonte, 1978.

FREINET, Célestin. A educação pelo trabalho. Lisboa: Presença, 1974.

________. A saúde mental da criança. Lisboa: Edições 70, 1978.

________. As técnicas Freinet da escola moderna. Lisboa: Estampa, 1975.

________. Conselho aos pais. Lisboa: Estampa, 1975.

________. Ensaio de psicologia sensível. Lisboa: Presença, 1976.

________. O jornal escolar. Lisboa: Estampa, 1976.

________. O método natural. Lisboa: Estampa, 1977.

________. O método natural de gramática. Lisboa: Dinalivro, 1978.

________. Para uma escola do povo. Lisboa: Presença, 1973.

________. Pedagogia do bom-senso. São Paulo: Martins Fontes, 1985.

________. Texto livre. Lisboa: Dinalivro, 1973.

FREINET, Celestin, BALESSE, L.. A leitura pela imprensa na escola. Lisboa: Dinalivro, 1977.

FREINET, Celestin, SALENGROS, R.. Modernizar a escola. Lisboa: Dinalivro, 1977.

FREINET, Elise. O itinerário de Célestin Freinet: a livre expressão na pedagogia de Freinet. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

________. Nascimento de uma pedagogia popular. Lisboa: Estampa, 1978.

SAMPAIO, Rosa Maria Whitaker Ferreira. Freinet: evolução histórica e atualidades. São Paulo: Scipione, 1989.





Alguns sites sobre Freinet:

Espaço Infantil - Grajaú - Rio de Janeiro
Freinet: o Educador - Rio de Janeiro
Centro de Estudos da Criança - Rio de Janeiro
Colégio Arvense - Brasília
Escola Recanto - Recife
Grandes Mestres da Educação - Vera Zacharias, São Paulo
Pedagogia de Freinet - Andreza Alves da Silva
Celestin Freinet - Eduardo Moraes - Curitiba